Artigos do autor

Por muito tempo depois que te conheci era como se nenhum outro existisse. Era apenas você. Mas com o passar dos meses, dos desencontros – que não foram poucos – e do fato de você demonstrar total desinteresse, fui passando a não te enxergar mais. É triste quando alguém te mostra ser tão incrível e acaba se tornando invisível só por ter se acomodado demais.

E é assim que eu me sinto sobre você: é como se você não existisse.

Talvez eu tenha criado expectativas demais por uma pessoa tão pequena de sentimentos. Sei que posso ter idealizado você de uma maneira que não é, mas será que o erro foi apenas meu? Será que tudo que você demonstrou e me deixou acreditar no começo, logo que nos conhecemos, é culpa minha? Se a sua intenção era entrar na minha vida para depois agir como se nada tivesse existido, era melhor não ter aparecido.

Eu me permiti acreditar que tinha algo em você, já que era tão diferente de todos que já passaram pela minha vida.

Só que eu me enganei, você era tão igual aos outros.

Como era mesmo que costumava dizer? “O tipo que prefere ouvir sobre os outros do que falar de si mesmo.”. Será mesmo? Ou será que você gosta de se esconder atrás da serenidade que tenta passar para que eu não veja quem realmente você é?

Do que você tem tanto medo?

É como se você não existisse porque mesmo na sua presença, eu não te sinto aqui. De início isso me atraía em você, eu gostava do desafio de ter que ir procurando nos mínimos detalhes te conhecer. Eu gostava de não termos uma relação fácil, mas todo jogo uma hora perde a graça. Já faz tempo que o seu perdeu! E sabe o que é mais engraçado? Mesmo longe e mesmo tão ausente, em todos os lugares que eu vou, mesmo sem procurar, encontro você.

E isso não é para ser bonitinho.

Eu até já tentei me convencer a continuar tentando, juro, mas não dá. Não dá pra insistir em uma pessoa que não consegue mostrar quem é. Não dá pra insistir em alguém que não se esforça, nem sequer um segundo, em demonstrar o mínimo de interesse possível. Em fazer uma loucura qualquer dia e simplesmente aparecer para me ver sem que eu peça.

Por que é que você sempre espera uma iniciativa minha?

Desculpa te falar, mas um “boa noite” duas vezes por semana não me satisfaz. E não me venha com essa de que não tem tempo ou que está ocupado demais, quem quer de verdade consegue arrumar nem que seja um minuto do seu dia.

Eu gosto de amores que arranquem o coração e arrepiem a alma. Eu dou atenção porque gosto de ter atenção. Eu pergunto sobre seu dia porque me importo. Eu procuro saber se está bem porque quero fazer parte da sua vida, porque quero te ajudar nos dias ruins e nas horas difíceis. Qual a dificuldade de enxergar isso? Se você tem medo de compromisso, não deveria ter continuado com tudo isso. Não faz sentido permanecer na vida de alguém quando não se tem a intenção de fazer parte dela. É egoísta e chega a ser cruel demais até pra você. Se não pretende segurar minha mão e ficar, me deixa logo ir embora. Eu vou caminhando até encontrar uma nova direção, e acredite, será triste mas não é difícil seguir em frente.

É como se você não existisse porque se ausentou tanto, jogou tanto, se escondeu tanto… Que uma hora deixou de me fazer falta.

Cansei de lutar com a sua existência. Eu cansei de te procurar! Se você me quiser de volta, é sua vez de lutar para me encontrar. Porque sinceramente, se depender de mim, não dá. Eu quero alguém que saiba demonstrar.

0 comentários

20 primaveras nem sempre tão floridas assim. Baiana do interior e libriana que nunca é indecisa. Gosta de tudo organizado e no lugar, se importa mais com os outros do que com ela. Ama dias frios e chuvosos, pipoca e chocolate. Acredita que com amor, tudo se resolve. Se entrega de alma em tudo que faz. Tem incontáveis sonhos à serem realizados. Escolheu Psicologia por ser fascinada em como a mente humana funciona. É completamente apaixonada pelo John Mayer. Gosta de escrever mais do que de falar, é através da escrita que consegue colocar para fora tudo o que sente. E escreve no blog O que sinto em palavras. Passa a maior parte do tempo lendo por amar imaginar um mundo novo e uma nova história a cada livro. Viciada em café e super-heróis. E ah, adora ouvir histórias aleatórias sobre a vida. Vai adorar ouvir as suas, chegue mais! <3 stephhhalmeida@hotmail.com ou me chame no instagram!

Recentemente o John Mayer lançou em suas plataformas virtuais seu novo álbum – todos comemoremos, afinal, já fazia tempo desde o último. Como no álbum tem músicas incríveis e eu sou louca pelo trabalho dele – não é atoa que ele é meu cantor preferido – resolvi fazer um TOP 12 com as músicas que mais amo do John. Desde as mais antigas, a aquelas que estão no novo álbum – e ah, por ordem de preferência! HAHAHAHA Vale a pena você ouvir uma por uma!

In your atmosphere (Where The Light Is)

Me apaixonei pelo John ouvindo esta música! Encontrei por acaso nas sugestões do youtube, e desde então, ela vem sendo a minha favorita de todas. Não há um só dia que não escute-a. Além de ela ter marcado muitos momentos importantes pra mim.

 

Emoji of a wave (The Search for Everything)

Preciso colocar uma observação nessa música: desde o dia em que foi lançada, em fevereiro (já que faz parte do álbum novo), não sei como fazer para parar de ouvir. A melhor do álbum inteiro, sem dúvidas. <3 É legal procurar as lives dela, a voz rouquinha ao vivo conquista qualquer coração!

 

Born and Raised (Born and Raised)

Born and Raised é e sempre será o meu álbum favorito do John porque marca a volta dele pra música após o problema com as cordas vocais/cirurgia. Sem contar que é um dos trabalhos mais incríveis que ele já fez!

 

Agora que já rolou o TOP3, vamos as outras músicas!

 

3×5 (Room for Squares)

 

XO (XO)

Da série: covers que ficaram melhores que a versão original. Desculpem os fãs da Queen B, mas essa música ficou incrível na voz do John!

 

Shadow days (Born and Raised)

 

Slow a Dancing in a Burning Room (Where The Light Is)

 

Free Fallin’ (Where The Light Is)

 

Gravity (Where The Light Is)

Uma das músicas mais incríveis dele, não dá pra negar. E ah, a música de onde vem a minha frase favorita (e futura primeira tatuagem): “Just keep me where the light is…”.

 

Moving On and Getting Over (The Search for Everything)

 

Daughters  (Where The Light Is)

 

Your Body is a Wonderland  (Room for Squares)


Agora se você não escutava o John e amou, pode procurar mais músicas no Spotify ou conferir a playlist que fiz somente para ele lá: O melhor da GALÁXIA!

Você curte o John também? Me conta qual álbum e qual música dele você mais ama! Se uma das minhas escolhidas é sua favorita também, me diga qual. E o mais importante: o que achou do álbum novo? Vou adorar saber <3

1 comentário

20 primaveras nem sempre tão floridas assim. Baiana do interior e libriana que nunca é indecisa. Gosta de tudo organizado e no lugar, se importa mais com os outros do que com ela. Ama dias frios e chuvosos, pipoca e chocolate. Acredita que com amor, tudo se resolve. Se entrega de alma em tudo que faz. Tem incontáveis sonhos à serem realizados. Escolheu Psicologia por ser fascinada em como a mente humana funciona. É completamente apaixonada pelo John Mayer. Gosta de escrever mais do que de falar, é através da escrita que consegue colocar para fora tudo o que sente. E escreve no blog O que sinto em palavras. Passa a maior parte do tempo lendo por amar imaginar um mundo novo e uma nova história a cada livro. Viciada em café e super-heróis. E ah, adora ouvir histórias aleatórias sobre a vida. Vai adorar ouvir as suas, chegue mais! <3 stephhhalmeida@hotmail.com ou me chame no instagram!

O preconceito com a mulher na sociedade é grande e não é de hoje. Independente do assunto, sempre tem alguém que ainda não se tocou que vivemos no século XXI onde os direitos são iguais e temos livre arbítrio. No universo cinematográfico das HQs também não é diferente.
Há muito tempo que começaram a ser lançados filmes de super-heróis baseados nos quadrinhos, mas todos com protagonistas homens. Só agora que elas começaram a se destacar e ganhar grandes produções com histórias incríveis. Vamos conferir algumas séries e filmes que mostram este grande poder feminino das HQs?

O FILME DA WONDER-WOMAN

Quem não ama esta mulher? Toda garota já quis ser a Mulher Maravilha, voar e ter aquele avião invisível que é incrível! Ela será a primeira heroína da DC à ganhar um filme solo – e começaram bem, hein! Vamos conhecer muito da história dela, desde o começo, no filme. E ela é um dos maiores exemplos de uma mulher poderosa, desde criança já vemos isso, hehe. Se quiser saber mais sobre o filme, pode me pedir nos comentários que faço um post especialmente para isto.

 

A SÉRIE DA AGENTE CARTER

A série da Agent Carter tem apenas 18 episódios, por que ela infelizmente foi cancela. Contendo apenas duas temporadas. 🙁 O que me encantou nesta série é ela não ser tão focada no Capitão América, como imaginei ser. Ver toda a história após o fim da Guerra, em 1946, de um ponto de vista diferente e com uma história melhor que a outra. A série basicamente mostra as missões de Peggy para tentar ajudar o amigo, Howard Stark – isso aí, o pai do Iron Man – ao mesmo tempo em que leva uma vida solteira após perder o seu amor, Steve Rogers. Essa mulher é, sem dúvidas, um exemplo M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O de Girl Power!

 

A SÉRIE DA SUPERGIRL

Ano passado, a maravilhosa Supergirl – prima do Superman, para quem não sabe – ganhou uma série solo também – que agora mudou de canal para ser produzida pelo mesmo canal das outras séries da DC, a CW. A Kara tem os mesmos poderes do primo, e é uma fofa. A série é bem descontraída e muito mais leve do que as outras séries da DC. As milhares de referências à histórias e acontecimentos famosos nas animações e revistas, é incrível, principalmente quando referentes ao Superman – que inclusive, apareceu por lá! Você vai adorar conhecer mais sobre as histórias e aventuras da Danvers.

E ainda se tratando de séries da DC podemos ver outras personagens incríveis! Como a Vixen em Legends of Tomorrow, personagem super forte – conhecida também – e com uma história que mostra o porquê de ser tão importante lutar pelos outros, para ela. A Vixen é uma das personagens femininas que mais amo. A história dela é incrível e vale muito a pena você ler (vale lembrar que uma outra versão da Vixen aparece em Flash e Arrow). Mas, ainda em Supergirl, vemos ninguém menos que Miss Marte! Quando li que ela apareceria na série nem acreditei. Quem já ouviu falar ou gosta da marciana branca sabe como ela é incrível e o quanto a história, infelizmente triste, da vida e planeta dela nos ensinam a ser mais fortes e acreditar que pra tudo dar-se um jeito. 

 

A SÉRIE AGENTS OF S.H.I.E.L.D – TREMOR

Agents of SHIELD conta a história de Skye/Daisy/Tremor, desde antes de ganhar suas habilidades, até entrar para a SHIELD e começar a trabalhar em missões que você vai adorar ver. É uma das melhores séries de super-heróis que já assisti, que vai te fazer adorar cada personagem e cada história com o passar do tempo. Daisy, antes de descobrir sua verdadeira identidade, era apenas uma hacker (apenas nada, ser hacker já é coisa demais!). Além da Daisy, tem várias outras mulheres poderosas na série, como a Bobbi, a May e claro, a Simmons.

 

O FILME DA CAPITÃ MARVEL

Foi anunciado na Comic-Con do ano passado, em San Diego, quem seria a Capitã Marvel nos cinemas: Brie Larson. Quem acompanha os quadrinhos, sabe como ela é poderosa. Além de ser a primeira heroína (mulher) da Marvel à ganhar um filme solo. O longa sobre a heroína Carol Danvers que usa o codinome/manto da Capitã Marvel, nas HQs, e que até fez parte dos Vingadores – ela poderá aparecer no filme dos Vingadores, antes ainda de estrelar o seu solo, já que Guerra Infinita contará com a maior parte dos personagens da Marvel. 

 

A SÉRIE DA JESSICA JONES

Jéssica é uma ex super-heroína que decide abrir sua própria agência de detetives, após o fim da carreira. A série é original da Netflix e está se encaminhando para a segunda temporada, onde ela será encaminhada para se juntar à Os Defensores, que é uma equipe de super-heróis da Marvel. Além disso, na série temos outra personagem poderosa, a Patsy, que futuramente se tornará a Felina! Para quem não sabe, a habilidade da Jessica é a super força!


É claro que, espalhado por outros filmes e séries, existem personagens tão poderosas quanto as que escolhi. Mas aqui neste post eu selecionei apenas às que tem títulos solos! Se quiserem, posso fazer um post separado apenas falando de personagens femininas que estão espalhadas por aí e contar brevemente um pouco da história de cada uma delas.

E aí, você já assistiu ou está ansiosa para assistir alguma série ou filme da lista? Vamos aguardar agora, por mais títulos grandiosos de mulheres poderosas nos próximos anos – imagina só um filme ou série da Feiticeira Escarlate, Mulher Gato ou Arlequina? Eu amaria, e você?

0 comentários

20 primaveras nem sempre tão floridas assim. Baiana do interior e libriana que nunca é indecisa. Gosta de tudo organizado e no lugar, se importa mais com os outros do que com ela. Ama dias frios e chuvosos, pipoca e chocolate. Acredita que com amor, tudo se resolve. Se entrega de alma em tudo que faz. Tem incontáveis sonhos à serem realizados. Escolheu Psicologia por ser fascinada em como a mente humana funciona. É completamente apaixonada pelo John Mayer. Gosta de escrever mais do que de falar, é através da escrita que consegue colocar para fora tudo o que sente. E escreve no blog O que sinto em palavras. Passa a maior parte do tempo lendo por amar imaginar um mundo novo e uma nova história a cada livro. Viciada em café e super-heróis. E ah, adora ouvir histórias aleatórias sobre a vida. Vai adorar ouvir as suas, chegue mais! <3 stephhhalmeida@hotmail.com ou me chame no instagram!

Desde sua estreia na Netflix, a série 13 Reasons Why tomou conta de toda internet. O assunto polêmico e que ainda é um tabu imensurável veio dividindo opiniões  nas redes sociais. A série trata de assuntos como bullying, depressão, abuso, amizades, relacionamentos, tudo o que passamos na adolescência, escola e até em casa ou na rua. A série faz com que possamos refletir sobre tudo o que vemos diariamente e como cada coisinha pequena pode acabar se tornando um problema maior do que deveria ser. Você já assistiu a série? Vamos comentar um pouco sobre ela e toda sua importância. Não leia a parte dos personagens se não quiser SPOILER!

Vale lembrar que a Isa publicou um vídeo falando sobre a série e o livro que vale muito a pena você assistir!

A história fala sobre Hannah Baker, uma adolescente que se mata – e desde o início da série já sabemos disso – por 13 motivos. Antes do suicídio, Hannah grava 13 fitas onde cada uma delas tem um porquê, que algumas vezes são pessoas. Na série vemos flashbacks dos acontecimentos que levaram-na ao extremo, vemos o sofrimento de todos os que a amavam e o egoísmo daqueles que são um dos porquês e, mesmo depois de saber disso, continuam tendo atitudes semelhantes às que magoaram tanto Hannah.


Stephanie Almeida: A série nos faz refletir sobre o quanto atitudes pequenas podem magoar uma pessoa mais do que pode-se imaginar. Muitas vezes, uma coisa que julgamos ser bobagem pode significar muito para alguém. Não declarar-se pode significar muito. Mentir para ficar bem pros outros pode significar muito. Não mostrar o quanto se importa pode significar muito. Se afastar de um amigo pode significar muito. Até um sorriso encantador pode significar muito. Nós não sabemos como outra pessoa vai se sentir com o que fazemos com ela. Pessoas são diferentes, pensam diferente, agem diferente e os sentimentos, embora os mesmos, são relativos. Eu posso perder um amigo e me sentir só, e ficar tudo bem. Mas outra pessoa pode perder um amigo, se sentir só e isso leva-la a depressão. Depressão é mais sério do que a gente pensa! Quantas vezes você já ouviu ou já falou: “isso é coisa de gente fresca!”, “isso é pra chamar atenção!”. NÃO! Pessoas tem problemas. Mas o maior problema é quando ele vem a partir do que o outro fez. Ainda mais se essa pessoa sou eu, ou você.

Mariana Mortani: 13 Reasons Why é uma série que consegue ser ainda mais dura e firme do que o livro. Eles buscaram explorar melhor os assuntos já abordados, além de destacar as chocantes verdades que, infelizmente, fazem parte da vida de muitos adolescentes. O elenco composto por muitos estreantes não deixa a desejar, principalmente por parte de Katherine Langford (Hannah) e Dylan Minnette (Clay). Katherine consegue manifestar bem as sutis mudanças na personalidade de Hannah, Dylan evidencia as emoções de Clay e Kate retrata perfeitamente a perturbação de uma mãe que perde a filha sem imaginar o que ela estava passando. A série lembra o quão importante é discutirmos os assuntos nela abordados, além de mostrar como influenciamos (muitas vezes sem saber) na vida de outras pessoas e como não devemos permitir que um mal-entendido se torne fatal. Essa é uma história que, sem dúvidas, deveria ser conhecida e vista por pessoas de qualquer idade, para que todas se lembrem de como ter respeito pela opinião, pelas escolhas e pela vida das outras pessoas é primordial.

Ei! Se você que está lendo, por algum motivo, se sente como a Hannah, venha aqui…

Stephanie Almeida: Converse com alguém! Converse com a gente! Sei quem às vezes tudo parece perdido, sei que em muitos momentos é difícil confiar em alguém. Confiar é complicado e arriscar é difícil, mas tente. Sei que o medo das pessoas julgarem ou delas não entenderem seus motivos te assombram. Sei que se sentir só é um sentimento ruim, mas o munto está cercado por pessoas maravilhosas que podem te fazer sorrir mesmo que de longe. Você só não sabe disso ainda.

Um psicólogo vai te ajudar a passar por cima disso tudo sem te julgar, ele só fará todo o possível para ajudar-te. Não se cale. Infelizmente, é uma realidade que muita gente nos machuca o tempo todo, mesmo que algumas vezes seja sem querer. Mas toda dor uma hora passa sem precisar entrar num caminho sem retorno! Você pode, sim, passar por tudo isso e dar a volta por cima! Você pode, sim, superar a dor. Às vezes sentimos que chegou a hora de parar de lutar, nessas horas, descanse um pouco e volte com ainda mais força pra lutar até o fim e mostrar pro mundo que nada, nem ninguém, é capaz de destruir você. Alguém que te traga sentimentos ruins não te merece.

É hora de falar sobre eles… Os personagens. Os porquês.

Stephanie Almeida:
Passamos a série toda com apenas uma pergunta na cabeça: “Por quê ele(a) fez isso com ela?”. Desde o primeiro episódio sabemos que foi a atitude de muita gente que fez com que a Hannah escolhesse o caminho que seguiu. Começando pelo Justin, como disse a própria Hannah: “Então, foi aí que o problema começou… Aquele sorriso. Aquele maldito sorriso.” Quem nunca se apaixonou por um sorriso que fez com que nada importasse? Qual a necessidade do Justin mentir sobre o que aconteceu, lembrando que isso não envolve apenas ele, e sim, o primeiro beijo de uma menina, só para ficar ‘bem na fita’ com os amigos? Para os Justin’s da vida: E DAÍ QUE NÃO ROLOU? Acontece! Você não se torna alguém mais interessante pelas coisas que fez, e sim por quem você é.

Alex e Jessica, sim, juntos, porque vocês eram o alicerce dela. Quando vi sobre a lista, pausei sem acreditar porque já vi acontecer tantas vezes… Até comigo. Quem foi que disse que pessoas gostam de ser rotuladas? Positivamente ou negativamente, não se rotula alguém de nada. Saber que se tem uma boca, cabelo, olhos, pernas, ou o que for, bonitos ou atraentes através de uma lista que está circulando na escola não é, nem nunca será, um elogio! Por quê abandona-la? Por quê vocês dois se afastaram dela e deram as costas quando foi preciso? Que tipo de amigos foram? Jessica… Garoto nenhum no mundo vale uma amizade. Não importa o quão incrível ele seja. E o Justin não é tão incrível assim.

Mariana Mortani:
Tyler é o o primeiro que me fez pensar em como cada personagem podia possuir dois lados e, sinceramente, esse foi um episódio que me deixou muito mal. Porém, preciso admitir que fiquei mal pelo Clay, não pelo Tyler. O fotógrafo já sofria diversos tipos de bullying, sem falar que, mais para frente, veremos como ele finge ser o que não é, como os pais não o conhecem, como ele realmente pode ser mal-intencionado, entretanto, o que Clay o faz passar acaba tendo muito impacto. Essa ideia de combater o mal com o mal… simplesmente não me desce. Então fiquei mal pelo Clay, por perceber como ele estava sendo afetado pelas fitas e já não enxergava limites. Fazer uma pessoa pagar com a mesma moeda só a torna mais uma vítima.

Courtney é uma personagem difícil de julgar. A garota é real. Muitas Courtneys existem por aí. Pessoas que não medem esforços para prejudicar alguém afim de tirar o seu da reta, pessoas que escondem o que são, mas não pensam duas vezes antes de expor outras pessoas. Acabei tentando me colocar no lugar dela, por conta dos pais que são gays e por saber como essas pessoas sofrem o preconceito dos outros (Courtney provavelmente tinha medo de passar pelas mesmas situações), mas nada justifica. Um erro não justifica o outro. Mesmo em alguns momentos de deslize, ela continua atacando a Hannah, dizendo que “a verdade da Hannah” não é a sua verdade, afirmando que não é a pessoa que todos já estão descobrindo. Ela foi a que mais teve oportunidade de se redimir e, sem dúvidas, ajudar até a si mesma.

Marcus e Zach são personagens que realmente mostram coisas pequenas podem se tornar grandes para as outras pessoas. Enquanto Marcus tenta, a todo momento, ser algo que ele não é, Zach teve medo de mostrar seu interesse para Hannah e, pior do que isso, não impediu que Marcus agisse de maneira tão estúpida, apenas ficou ali, assistindo, para ver se os boatos eram verdade ou não. Sem falar na parte dos bilhetes, que mostra como não devemos permitir que um mal-entendido possa ser fatal.

Nos episódios da série temos vários pensamentos fortalecidos: como Justin acreditava depender de Bryce, como Bryce se fazia de amigo para conseguir o que queria, como Jéssica estava confusa e, mesmo assim, preferia acreditar nas palavras do namorado. O pior é quando, em uma conversa com Courtney, Jéssica a questiona se Hannah a diria se tivesse visto algo, como se você o dever dela, a amiga que ela abandonou, e não do próprio namorado. No episódio de Clay percebemos como uma coisa influencia a outra, uma vez que, se ele não tivesse saído do quarto, muitas coisas seriam diferentes, entretanto não podemos julgá-lo. Ele podia ter ficado, mas não devia. Ele fez apenas o que Hannah pediu, ele a respeitou. E quantos garotos não fizeram isso por ela?
E então, temos Sheri…

Stephanie Almeida:
Sheri
… Queria tanto continuar gostando de você, mas o seu porquê me doeu tanto… Gente, foi só eu quem ficou apaixonada pelo Jeff e que ficava perdida por não entender o porquê dele não aparecer nas cenas atuais, só nos flashbacks? Só de imaginar nas possibilidades, doía. Quando eu descobri o porquê, não conseguia parar de chorar. O Jeff é o maior exemplo de como o que fazemos sem querer pode ser fatal pra alguém que não tem culpa nenhuma. De como o ditado “todo cuidado é pouco” é imensamente real. De como coisas pequenas e, até bobas, podem destruir alguém. Jamais fuja do seu erro! Não seja uma Sheri.

Mariana Mortani:
Todos estão com medo no episódio de Bryce. As verdades de cada um parecem atingi-los ainda mais, mesmo que alguns estejam relutantes. Bryce nos faz entender, definitivamente, que todos os personagens possuíam dois lados (o lado dos erros, o lado do sofrimento por algo), mas ele não. É muito difícil falar sobre Bryce pois não conseguimos sentir nada além de raiva e nojo por ele, que comete muitos erros e não pensa, em momento algum, em como está errado. Acompanhar o diálogo revelador dele com Clay só piorou ainda mais as coisas.

Finalmente, Sr. Porter, o conselheiro que, diversas vezes, não cumpre seu papel. O cara não percebe como as vidas daqueles adolescentes dependem muito dele. Ele não hesita em mentir ao longo dos episódios, mostrando cada vez mais erros e deixando claro que ele sabe que errou com Hannah. Mesmo que não tente mudar de atitude com outros adolescentes que vão conversar com ele. As conversas raras me fizeram mal, porque ficava claro como as pessoas esperavam palavras amigas, palavras esclarecedoras dele, e ele sempre deixava a desejar…

Stephanie Almeida: Conhecer os personagens a fundo é uma parte bem difícil ao assistir 13RW. Você se perguntou o porquê, não é? Imagine como é doloroso amar muito alguém, seja uma amizade ou um garoto, e essa pessoa te decepcionar tanto por ter te machucado com palavras, ter te abandonado… Ter te mostrado como é maravilhoso um momento com ela e depois, sem nenhum motivo aparente, você se tornar um completo desconhecido. Dói, não é? Se uma vez dói, imagine quando acontece repetidas vezes em um curto período de tempo! É claro que NUNCA justificará um suicídio. Mas a dor, quando é sentida em silêncio, dói duas vezes mais. E nem todos conseguem falar.

A série surgiu no momento certo para nos fazer entender que PRECISAMOS, sim, medir as atitudes. Ser filho da puta com alguém não vai te dar nenhum retorno bom. Ser o porquê de uma pessoa é um fardo que ninguém deve carregar. Temos um problema: esperamos o pior acontecer para tentar corrigir um erro. Quando, na verdade, só precisamos nos colocar no lugar da outra pessoa para entender que aquilo não deve ser feito. O certo é não fazer a burrada e saber pedir desculpas quando não conseguir evitar.

Algumas pessoas, como a Hannah, deixam tanto o problema acumular que explodem uma hora. Nós não estamos aqui para julgar como alguém vai lidar com o que acontece na vida dela. Estamos aqui pra evitar que existam outras Hannah’s no mundo, que precisem chegar ao extremo por conta de pessoas egoístas que machucaram-a tanto. Você já parou para pensar se suas atitudes prejudicam quem está a sua volta? Já parou para pensar se fez algo que machucou alguém? Já se desculpou com aquele amigo que você pisou na bola? Não seja, jamais, o porquê da dor de alguém. Seja o porquê de alguém conseguir se livrar da dor.

Agora vamos papear… Como você se sente após assistir a série? O que mudou em você, na sua vida, nas suas atitudes e em como você vê as coisas depois de tê-la assistido? Vamos amar saber e conversar sobre o assunto! Mas se você não assistiu e quer entender melhor, a Mari publicou um vídeo, COM SPOILERS, sobre a série.


Comentando sobre é uma coluna que será escrita por dois ou mais colunistas aqui do blog, onde iremos comentar sobre séries e filmes. Se tiver uma sugestão para o próximo post, deixe nos comentários! =)

1 comentário

20 primaveras nem sempre tão floridas assim. Baiana do interior e libriana que nunca é indecisa. Gosta de tudo organizado e no lugar, se importa mais com os outros do que com ela. Ama dias frios e chuvosos, pipoca e chocolate. Acredita que com amor, tudo se resolve. Se entrega de alma em tudo que faz. Tem incontáveis sonhos à serem realizados. Escolheu Psicologia por ser fascinada em como a mente humana funciona. É completamente apaixonada pelo John Mayer. Gosta de escrever mais do que de falar, é através da escrita que consegue colocar para fora tudo o que sente. E escreve no blog O que sinto em palavras. Passa a maior parte do tempo lendo por amar imaginar um mundo novo e uma nova história a cada livro. Viciada em café e super-heróis. E ah, adora ouvir histórias aleatórias sobre a vida. Vai adorar ouvir as suas, chegue mais! <3 stephhhalmeida@hotmail.com ou me chame no instagram!

Ele é um enigma indecifrável para mim. Como pode alguém conseguir me ter assim sem nem ao menos tentar?

Quando o conheci achei ele incrível. Era uma conversa tão boa, mas tinha algo faltando ali. Sabe aquela coisa que te prende numa conversa e te faz querer conversar mais e mais? Eu não senti. Eu sabia que tinha algo nele que eu queria conhecer, que eu precisava ver, mas ele se fechou para o mundo como uma porta trancada a sete chaves. Eu não conseguia ver o que tinha por trás, mas eu sabia da existência, e foi o suficiente pra eu procurar chave por chave, sem pressa nenhuma, e abrir cada porta que aparecia no caminho. Eu queria ver o que tinha por trás e não me importava o quanto demorasse.

Por trás da primeira porta havia um sorriso incrível, que faz meu olho brilhar só de lembrar.

Por trás da segunda, havia uma voz suave e doce, que era como uma música pros meus ouvidos.

Por trás da terceira, havia alguém ainda mais incrível, gentil, engraçado e divertido do que eu conseguia imaginar.

Por trás da quarta, havia alguém que se importava e procurava saber de cada mínimo detalhe.

Não consigo parar, nem se quer por um segundo, de pensar o que vem por trás das outras três que eu ainda não consegui abrir.

É incrível como ele, mesmo sem saber, mesmo sem querer, tinha o poder de fazer com que eu fosse de 0 à 100 em um segundo. Em como ele, mesmo de longe, conseguia me arrancar suspiros, sorrisos, gargalhadas e acalmar todas as ventanias na minha cabeça. É incrível como ele, mesmo sem querer, me tinha por inteiro.

É incrível como ele, aquele cara que nem eu e nem ninguém imaginou que seria capaz de me manter interessada, não só conseguiu, como me faz, todos os dias, encontrar uma maneira de continuar procurando. Muita gente acha que todo esse tempo tentando descobrir o que mais há nele é perda de tempo. Acham que estou vendo o tempo passar parada, quando na verdade, só estou tendo a certeza de que cada segundo do meu tempo está sendo usado com alguém que merece de verdade.

Mas eu sei, eu sinto, que por trás das sete portas havia bem mais. E eu não me importo de esperar para encontrar. Por que eu sei que quando e o que eu encontrar vai valer a pena.

1 comentário

20 primaveras nem sempre tão floridas assim. Baiana do interior e libriana que nunca é indecisa. Gosta de tudo organizado e no lugar, se importa mais com os outros do que com ela. Ama dias frios e chuvosos, pipoca e chocolate. Acredita que com amor, tudo se resolve. Se entrega de alma em tudo que faz. Tem incontáveis sonhos à serem realizados. Escolheu Psicologia por ser fascinada em como a mente humana funciona. É completamente apaixonada pelo John Mayer. Gosta de escrever mais do que de falar, é através da escrita que consegue colocar para fora tudo o que sente. E escreve no blog O que sinto em palavras. Passa a maior parte do tempo lendo por amar imaginar um mundo novo e uma nova história a cada livro. Viciada em café e super-heróis. E ah, adora ouvir histórias aleatórias sobre a vida. Vai adorar ouvir as suas, chegue mais! <3 stephhhalmeida@hotmail.com ou me chame no instagram!

Desde sempre, aprendi que cada um de nós é responsável pela própria vida. Seja em relação às atitudes, roupas, lugares frequentados ou até mesmo, conceitos e valores. Então me diga, boy, o que tanto incomoda você?

É problema meu se meu short é curto, e isso não faz de mim um alvo fácil para os caras na rua ou me deixa vulgar. É problema meu se eu falo palavrão às vezes ou sempre, e isso não faz de mim uma pessoa sem educação. É problema meu se falo alto demais. É problema meu se minha risada é escandalosa. É problema meu se gosto de azul numa sociedade que impõe que esta cor é masculina.

É apenas problema meu.

E daí que eu adoro sair numa sexta a noite, ir em um barzinho com meus amigos para beber cerveja? E daí que eu gosto de futebol, de usar boné e jogar vídeo game? Isso não faz de mim menos interessante. Menos mulher. Isso faz de mim alguém que fácil se entrosa numa conversa. Faz com que todos esses gostos, boy, que você detesta, cative outras pessoas que vão adorar conversar sobre estes assuntos comigo. Tudo isso que você detesta, fará com que eu ouça “você é a mulher que eu sempre quis.”. Fará com que o meu lado molequinha seja o principal motivo para alguém permanecer comigo. Olha só que engraçado, não é?

E daí que eu prefiro amizades masculinas? Nem todos os caras do mundo chegam numa menina com segundas intenções. Tudo bem que hoje em dia seja mais complicado de confiar assim. Mas, apesar de qualquer coisa, existem caras que são mais amigos que muitas mulheres por aí. Caras que não vão se importar se meu cabelo tá todo arrumadinho ou se está com um boné para esconder o quanto está feio. Caras que não vão ligar se eu estou indo para uma festa de salto ou de tênis. Caras esses que vão me chamar para jogar ou assistir futebol, como amigo. E eu não me importo de ser mulher em meio à tantos caras. É até engraçado quando eles me chamam de “boyzinho”.

Mulher é livre e pode fazer o que quiser da vida dela. Ela pode se relacionar com quem e quando ela quiser sendo solteira, boy. E isso não faz dela uma piranha ou qualquer outro nome que queira chamá-la. Isso se chama solteira!

Não fique aí esperando alguém que vá mudar e se adequar aos seus padrões.

Enquanto você está aí colocando mil e um defeitos em tudo que visto, faço, gosto e pelas minhas amizades ou lugares que frequento, tem muito cara – inclusive amigos seus – que dariam tudo para estar no seu lugar. Então, boy, só vou te dizer uma coisa: Dê valor. Minha paciência é curta e eu não vou mudar por conta do seu pensamento machista. Sou livre para ser como eu quiser. Gostar de você não me fará ser alguém que não sou só para te agradar. Ou você me aceita e fica. Ou pode ir, a porta está aberta e eu não vou te implorar para ficar. E repito: não vou mudar.

5 comentários

20 primaveras nem sempre tão floridas assim. Baiana do interior e libriana que nunca é indecisa. Gosta de tudo organizado e no lugar, se importa mais com os outros do que com ela. Ama dias frios e chuvosos, pipoca e chocolate. Acredita que com amor, tudo se resolve. Se entrega de alma em tudo que faz. Tem incontáveis sonhos à serem realizados. Escolheu Psicologia por ser fascinada em como a mente humana funciona. É completamente apaixonada pelo John Mayer. Gosta de escrever mais do que de falar, é através da escrita que consegue colocar para fora tudo o que sente. E escreve no blog O que sinto em palavras. Passa a maior parte do tempo lendo por amar imaginar um mundo novo e uma nova história a cada livro. Viciada em café e super-heróis. E ah, adora ouvir histórias aleatórias sobre a vida. Vai adorar ouvir as suas, chegue mais! <3 stephhhalmeida@hotmail.com ou me chame no instagram!

Imagem de Reprodução / Tumblr

Sempre temos aquele personagem que nos apegamos do começo ao fim de uma série que estamos acompanhando. Ou até alguns que tragam algo de importante com o que se passa durante todas as temporadas, não é? Hahaha, comigo não é diferente! De todas as milhares de séries que assisto, e dos milhões de personagens que me conquistam e que amo, separei os meus 6 personagens favoritos de todos para compartilhar com vocês – e claro, contar o que faz deles tão especiais.

Foi uma tarefa muito difícil, já que sou apegada à tantos e de tantas séries diferentes. Mas enfim… Vamos à lista?

 

1. Sheldon Cooper – The Big Bang Theory

Se você nunca assistiu TBBT, pelo menos, já ouviu falar do maluco Sheldon, não é? O Sheldon é um dos personagens mais incríveis que eu já vi até o momento. Por que? Porque ele simplesmente é irritante, cheio de manias, não consegue lidar muito bem com as pessoas e com seus sentimentos, e, na maioria das vezes, é chato demais. E eu me identifico com ele até aí. Ele é um Físico/Nerd que passou à conhecer a vida após ganhar uma nova vizinha – que mudou tudo não só na vida dele, mas também na dos seus outros três amigos. Do jeito dele, ele cuida dos amigos à mesma medida que implica com os mesmos. E fala sério, o Sheldon é um FOFO!

 

2. Aria Montgomery – Pretty Little Liars

Apesar de AMAR todas às Liars, a Aria com certeza é a que mais me identifico e a que me chama mais atenção. Escritora, apaixonada por livros, adora fotografar nas suas horas vagas e, é claro, sempre prefere guardar o que está sentindo ou passando para si, até não aguentar mais guardar e, com toda a dor, joga para fora. Vemos isso na maior parte dos episódios.

Outra coisa que adoro na Aria é que de todas, ela é a melhor para guardar um segredo. O que neste caso é ruim, já que isso causou vários problemas para ela ao longo da série. O estilo dela é outra coisa que me chama muito à atenção. Sempre tão diferente e ousada nos acessórios que costuma usar, e confesso desejar a maior parte do guarda-roupa da Liar. Os olhos gigantes e marcantes que ela tem, o jeito doce e tão menininha dela também me conquistaram desde o primeiro episódio. Apesar de tudo o que desenvolve com ela na série, tem como não amá-la? E uma observação muito importante: quem não queria o Ezra como professor da matéria favorita?

 

3. Regina Mills / Rainha Má – Once Upon a Time

O maior exemplo de uma relação de amor e ódio com um vilão em uma série, com toda certeza, é a Regina. É surpreendente como os escritores conseguiram desenvolver tão bem todas as fases da Rainha Má até se transformar, de verdade na Regina. Digo isso por que na série, não à vemos como aquela Rainha que queria o mal de uma princesa apenas por ser mais bela. E sim, por achar que a Branca havia traído sua confiança e claro, por ter perdido seu amor. Desde o início, sempre achei ser impossível que ela conseguisse mudar. E à cada tentativa de outros personagens, eu só duvidava ainda mais. Mas chegou um momento em que a história deu uma revira-volta tão grande, que eu vi nitidamente que com amor, tudo se ajeita. Hahahahaha O que me encanta na Regina, é que agora, mesmo “do bem”, ela não deixou seus traços de Rainha Má. Por que? Porque quando necessário ela sabe muito bem usar toda a maldade que um dia à fez ter um coração negro. Ela sabe usar o melhor dos dois lados. E uma observação: não existe atriz que se encaixe melhor para este papel do que a Lana.

 

4. Cristina Yang – Grey’s Anatomy

Não há personagem algum em Grey’s que conseguirá substituir a Cristina. Como faz para ao olhar esta foto, não lembrar da frase: “Bonita? Eu sou brilhante! Não diga que eu sou bonita! Se quer me elogiar, elogie o meu cérebro!”. Hahahaha Não há como não se apaixonar pelo jeito encantador dela (só que não) e por todas a maluquices que ela apronta dentro daquele hospital. Onde me identifico com a Cristina? No jeito de se importar com quem ama, mesmo sendo tão fria e tão grossa na maioria das vezes. Do medo de se entregar em um novo relacionamento por achar que será tão doloroso quanto o anterior – que é um defeito grave, hein. E claro, quem não ia querer ser tão determinada, brilhante e focada feito a Yang? E gente, uma amizade feito a dela com a Meredith, não se encontra tão facilmente assim.

 

5. Blair Waldorf – Gossip Girl

Queen B. do Constance e do Upper East Side, Blair sempre foi a personagem mais marcante de Gossip Girl – desculpe quem ama a Serena, mas ela me irritava bastante naquela série, nunca consegui gostar dela. Blair mostrava à cada episódio, o melhor dos dois lados da moeda: seu lado doce, frágil e menininha; assim como conhecemos uma verdadeira cobrinha com suas milhares de armações. Nós acompanhamos toda a história amorosa dela, realizando o sonho de se tornar princesa, assim como, também à vimos ter um amor quase impossível que nos fez chorar a série inteira – lê-se Chuck Bass. Também acompanhamos o relacionamento meio complicado dela com sua mãe. O que me deixava muito triste por ela, na maioria das vezes. As decepções amorosas e até com as amigas, as brigas, traições e toda a competitividade que existia nela.

Mesmo com toda a riqueza, luxos e tudo mais que rodeava a Blair, vimos como ela era uma menina normal e que muitas de nós passamos por boa parte do que ela passou. Blair me ganhou desde o primeiro segundo em que apareceu na série. E confesso que GG é e sempre será uma das minhas maiores saudades!

 

6. Barry Allen / Flash – The Flash

E em uma lista minha não podia faltar um super-herói, não é? Hahahaha. O Barry é um dos personagens que mais age por impulso de todas as séries que acompanho. Ele sempre age sem pensar quando se trata de proteger ou ajudar alguém que ama. O que, na maioria das vezes, lhe causa mais problemas do que qualquer outra coisa. O Barry tem aquele sentimento – que muitos de nós temos – de que precisa cuidar de todos o tempo todo. Ele se sente na obrigação de fazer isso. E quantas vezes ele não errou por querer ajudar? Quantas vezes isso não aconteceu conosco? Ele mostra que mesmo sendo um super-herói e salvando vidas diariamente como o Flash, não pode salvar à todos sempre. E foi assim que ele perdeu tanta gente que amava, não é? Essa série me faz chorar sempre, por dois motivos: primeiro porque o Barry sofre horrores. E segundo, à cada novo vilão ou personagem do universo da DC que faz parte de algum episódio. Mesmo com um coração tão nobre e tão grande, nem sempre ele consegue salvar o dia.

 

Alguns dos personagens que escolhi é o seu favorito também? Me conte nos comentários qual e por que!

7 comentários

20 primaveras nem sempre tão floridas assim. Baiana do interior e libriana que nunca é indecisa. Gosta de tudo organizado e no lugar, se importa mais com os outros do que com ela. Ama dias frios e chuvosos, pipoca e chocolate. Acredita que com amor, tudo se resolve. Se entrega de alma em tudo que faz. Tem incontáveis sonhos à serem realizados. Escolheu Psicologia por ser fascinada em como a mente humana funciona. É completamente apaixonada pelo John Mayer. Gosta de escrever mais do que de falar, é através da escrita que consegue colocar para fora tudo o que sente. E escreve no blog O que sinto em palavras. Passa a maior parte do tempo lendo por amar imaginar um mundo novo e uma nova história a cada livro. Viciada em café e super-heróis. E ah, adora ouvir histórias aleatórias sobre a vida. Vai adorar ouvir as suas, chegue mais! <3 stephhhalmeida@hotmail.com ou me chame no instagram!

comprando-canecas-fofas-na-internetO inverno é a minha estação preferida do ano! E eu imagino que seja a da maioria das pessoas, não é? Na maioria das vezes, a melhor parte de quando ele chega é comprar roupas. Já no meu caso, amo comprar canecas – não é a toa que sou uma escritora e estudante viciada em café. Vasculhando a internet eu encontrei canecas SUPER FOFAS e resolvi fazer uma listinha para compartilhar com vocês <3

1. Caneca de escrever recado – Zona Criativa | R$49,90

2. Caneca TEA – NiinaSecrets Store | R$29,90

3. Caneca P.S Eu te amo – Zona Criativa | R$39,90

4. Caneca Roseiral – Tok&Stok | R$27,50

5. Caneca Termossensivel ONÇA ROSA – Imaginarium | R$49,90

6. Caneca de anotações Recado do Dia – GorilaClube | R$35,90

7. Caneca Nossa Paixão – Zona Criativa | R$39,90

8. Caneca COFFEE – NiinaSecrets Store | R$29,90

9. Caneca Beautiful Colors – Tok&Stok | R$36,50

10. Caneca Dupla Te amo – Imaginarium | R$96,90

.

Qual a sua preferida? Me contem nos comentários <3

2 comentários

20 primaveras nem sempre tão floridas assim. Baiana do interior e libriana que nunca é indecisa. Gosta de tudo organizado e no lugar, se importa mais com os outros do que com ela. Ama dias frios e chuvosos, pipoca e chocolate. Acredita que com amor, tudo se resolve. Se entrega de alma em tudo que faz. Tem incontáveis sonhos à serem realizados. Escolheu Psicologia por ser fascinada em como a mente humana funciona. É completamente apaixonada pelo John Mayer. Gosta de escrever mais do que de falar, é através da escrita que consegue colocar para fora tudo o que sente. E escreve no blog O que sinto em palavras. Passa a maior parte do tempo lendo por amar imaginar um mundo novo e uma nova história a cada livro. Viciada em café e super-heróis. E ah, adora ouvir histórias aleatórias sobre a vida. Vai adorar ouvir as suas, chegue mais! <3 stephhhalmeida@hotmail.com ou me chame no instagram!

os-4-melhores-perfis-literarios-do-instagram

Uma das coisas que eu mais busco na internet, são IGs legais para seguir! E tem perfis de tudo, não é? Moda, beleza, livros, séries… E nem é tão difícil de encontrar os perfis bons, as fotos maravilhosas e o conteúdo perfeito. A junção dos três que é o ponto. Por isso que eu resolvi mostrar quais são os meus 4 perfis preferidos, sobre livros, do instagram! Vamos conhecê-los? 

1. Menino Literário @meninoliterario

os-4-melhores-perfis-literarios-do-instagram

Garotos leitores é uma paixão para qualquer garota, não é? E além do ótimo gosto literário, o Menino Literário tira fotos maravilhosas e imensamente criativas, e tem uma das estantes mais lindas que já vi. Vale muito a pena seguir o IG =)

.

2. Lara Furtado @lara.furtado

os-4-melhores-perfis-literarios-do-instagram

Acompanho o IG da Lara a muito tempo. São as fotos mais simples e bem boladas que já vi. Cada elemento que compõe a foto, cada pequeno detalhe, deixa a foto ainda mais perfeita. Além de ter as melhores resenhas literárias! 

.

3. A menina que lê @ameninaquele

os-4-melhores-perfis-literarios-do-instagram

Alguém que ama Star Wars já me conquista sem nenhum esforço. Mas além da estante maravilhosa e de bom gosto, as resenhas são sempre completinhas. E as fotos? Ah… Apaixonantes! 

.

4. Permita-se Ler @permitaseler

os-4-melhores-perfis-literarios-do-instagram

Fotos fofas me conquistam! E estantes bonitas também, viu? E as fotos da Karina são lindas, não é? Além de ter indicações de livros muito boas. E além do IG, você ainda irá se apaixonar pelo blog dela. <3

.

E então, qual foi o seu preferido? Já conhecia algum? Se tiver outro para indicar, é só deixar nos comentários que eu vou adorar conhecer! Beijo <3

2 comentários

20 primaveras nem sempre tão floridas assim. Baiana do interior e libriana que nunca é indecisa. Gosta de tudo organizado e no lugar, se importa mais com os outros do que com ela. Ama dias frios e chuvosos, pipoca e chocolate. Acredita que com amor, tudo se resolve. Se entrega de alma em tudo que faz. Tem incontáveis sonhos à serem realizados. Escolheu Psicologia por ser fascinada em como a mente humana funciona. É completamente apaixonada pelo John Mayer. Gosta de escrever mais do que de falar, é através da escrita que consegue colocar para fora tudo o que sente. E escreve no blog O que sinto em palavras. Passa a maior parte do tempo lendo por amar imaginar um mundo novo e uma nova história a cada livro. Viciada em café e super-heróis. E ah, adora ouvir histórias aleatórias sobre a vida. Vai adorar ouvir as suas, chegue mais! <3 stephhhalmeida@hotmail.com ou me chame no instagram!