Sabe, morena! Toda vez que eu passo pela aquela praça eu ainda me lembro de você. Depois de tanto tempo eu ainda consigo sentir o seu perfume no ar, como se ele estivesse ficado impregnado naquela paisagem de primavera. A árvore florida em tons de rosa e o banco vazio coberto de flores, eu sento e respiro você! Eu sinto sua mão sobre as minhas e quase posso ouvir sua respiração próxima aos meus ouvidos, você também está de olhos fechados e a gente sente a natureza daquele lindo lugar em companhia do por do sol, que descendo lentamente no horizonte vai mudando o gradiente de cores do céu. Do azul ao laranja, do rosa ao cinza e do caos à calmaria.

É impressionante como você virou meu modelo favorito de relacionamento, meu padrão universal de romantismo. Se eu vejo um romance no cinema, me lembro de você! Se eu leio um livro com textos apaixonados, cafona e bonitinho, me lembro de você! Você virou aquele clichê gostoso, aquele sorriso simétrico e contagiante, você colocou um rosto nas coisas mais belas que eu conheço! É incrível que mesmo tão distante daqui eu ainda consiga enxergar seu andar descendo a rua, seu sotaque engraçado e seu abraço tão cheio de paixão.

Eu gosto de fantasiar a vida a dois com você! De todos os amores que cruzaram a minha vida você foi o mais poético. Você transformou a rotina em prosa, fantasiou o caos do dia a dia, tirou um pedaço do paraíso e inseriu na nossa amizade. Sinto muitas saudades de você, sinto muita falta de te abraçar e sentir que mesmo que por um segundo você é minha. Sei que você nunca gostou de ficar, há essa altura já deveria ter me acostumado a vê-la partir, mas confesso que é sempre angustiante. Sinto sempre como se pudesse ter feito mais por nós, mesmo sabendo que não há problema algum, mesmo sabendo que o problema é apenas a nossa dualidade distinta, a nossa paixão poderosa, a química que emana dos nossos corpos quando próximos. Eternos apaixonados, a roseira presa no seu eterno jardim de flores e a borboleta, voando além das montanhas no horizonte.

Eu só não entendi por que nós escrevíamos tantas cartas quando nos víamos todos os dias e agora que tão longe não existem mais linhas em papeis. Se você ainda é poesia eu vou continuar a te escrever. Por que mesmo que os caminhos tenham se tornados distintos, sempre guardarei aquela coisa mágica e bonita que acontece na sua presença. Coisas como essas não devem morrer, e nada como um velho pedaço de papel e caneta para imortalizar um sentimento, ou seu sorriso, que vale um milhão de versos!

Morena, quando o trem passar por aqui me avise! Vou te levar para tomar um café como de costume, vamos sentar longe do barulho, num pedaço de mato bem verde, no ponto mais alto que acharmos, onde o vento nos ache e o sol tenha total liberdade para atuar sua peça diária. Assim te abraçarei mais uma vez e levarei comigo mais uma imagem do por do sol ao seu lado. Por que mesmo quando eu estiver na pior e você estiver a mil quilômetros daqui, é essa coleção de momentos que manterá em pé meus desejos mais nobres e singelos, que me colocará de peito cheio para a vida, me fará acreditar no amor! Sim, você é tudo isso de especial. Confesso!

0 comentários

24 anos, engenheiro civil por formação e escritor por paixão. Adora uma boa leitura, séries e filmes. Exagerado, admirador do cotidiano e péssimo escritor de perfis.

Este artigo não possui comentários