Fico me perguntando quando foi que eu te conheci de verdade, porque não pode ter tão pouco tempo. Meus olhos encontram os seus e eu sinto lá no fundo do meu ser que eu já fui sua. A sensação de segurança faz eu me sentir em casa. Basta você envolver seus braços na minha cintura pra eu notar que tenho um lar. Meu sorriso fraco acha seu caminho de volta com qualquer brincadeira sua, e eu simplesmente sei que você também já foi meu um dia.

Me pergunto então se estou apenas te reconhecendo, e vejo que a resposta provavelmente é sim. Seu cheiro familiar, seu jeito, sua luz. Tudo em você me dá aquela velha sensação de déjà-vu, me levando a crer que em algum outro momento, eu já esbarrei com você nessa mesma intensidade. Você solta essa gargalhada gostosa e eu só sinto que estou aquecida por dentro, o que não acontecia há muito tempo. De alguma forma e por alguma razão desconhecida, só bastou você chegar pro meu iceberg derreter e eu me enroscar em você.

É possível que eu tenha sentido sua falta antes mesmo de encontrar você pela primeira vez?

Porque eu senti. Eu sabia que existia um buraco aqui que só iria encaixar na peça certa, mas eu nunca fui muito boa em quebra-cabeças. Me perdia mais do que me achava. Vivia nessa coisa insana e complexa de tentar achar o que eu nem sabia que procurava. Mas aí você veio, do nada, sem pretensão nenhuma, e em um piscar de olhos, encaixou em mim. No momento em que eu estava desprotegida, despreparada e sem esperanças, você se mexeu, e aqui estou eu, tentando entender o que é que você tem.

Mas é foda tentar entender o que você tem, ou quem você é quando eu mesma sinto que não sou a mesma desde que você resolveu aparecer. É foda tentar entender o que foi que você fez para me deixar dessa forma tão perdida, quando sinto que pela primeira vez, alguém me achou. Não dá. Você só é, você só tem, e você só fez. Sabe-se lá o que me deixou desse jeito, porque só de pensar num pretexto pra partir me sinto partida.

Imagino que isso não seja real. Mas cada célula do meu corpo sabe que você existe – e que sempre existiu. Tudo dentro de mim age para que eu me sinta atraída por você o tempo inteiro. Eu tento me soltar e quando noto, estou novamente segurando no seu cabelo e sentindo nossos lábios se tocarem. É uma força magnética e nós dois não podemos resistir. O gosto da sua boca, e a forma como ela parece perfeita para minha me leva novamente a pensar que isso não é um encontro. Parece que eu vivi todos esses anos esperando você chegar.

Ou voltar pra mim. 

Entendo a razão de todos os outros caras não funcionarem e sinto um alívio por ter dado errado tantas vezes. Olhando pra você, ouvindo sua voz e sentindo sua pele na minha, apenas sei que não importa o que isso tudo seja, é o certo. Imagino se já fomos namorados, ou melhores amigos em um universo paralelo. Penso se conheço você de outro lugar e chego a conclusão que foi uma benção minha alma ter esbarrado na sua. Meu coração acelera, e novamente você me leva a pensar que isso não é um encontro.

Será que estamos nos reencontrando? 

2 comentários

20 anos de muita história para contar, autora do blog duzentaslinhas.com.br, residente do país das maravilhas e escritora nas horas vagas - nas outras também. Geminiana, sonhadora, avoada, estudante de psicologia, especialista em matérias impossíveis e completamente apaixonada por pessoas, flores e tudo que há de belo no mundo. Acredita em fadas, sereias e em um amor que cura todos os males. Quer conversar comigo pelas redes sociais? Fácil, só me chamar em @duzentaslinhas  Ou quer desabafar secretamente? Me chama no snap duzentaslinhas ou pode me mandar sua história pelo e-mail duzentaslinhas@gmail.com (juro que sou boa em conselhos)  

Deixe seu comentário

  1. Jei SanResponder

    Descreve o meu caso. Estou amando isso??