Tem horas que eu boto aquela trilha sonora que parece ter sido criada para momentos introspectivos, sabe?

Eis que vos apresento essa dita trilha, acompanhe ouvindo comigo:

É a partir desses momentos que nascem meus devaneios, onde minha imaginação se sobrepõe sobre tudo. Nasce minha vontade de escrever, de esvaziar meu eu em palavras.
Faz tempo desde a última vez que nos encontramos por aqui, né? Como cê tá?
Muita coisa mudou, muita coisa continua mudando. No mundo, dentro de mim e provavelmente em você aí que está lendo esse texto.
De um lado, me encho de mil informações. De outro, sinto a necessidade de me esvaziar.
Sabe quando você sai da sala do de cinema meio atordoado sem saber como voltar pra vida real? Você se enche de uma realidade que não é bem a que você vive e depois você tem que se esvair dela.
Fui ao mundo cinematográfico só pra dizer que to necessitado de me esvaziar um pouco, de colocar as coisas pra fora. É preciso entender que temos limites e que quando guardamos muita coisa dentro de nós, chega  a hora de liberá-las. Compreende?

Talvez esse texto esteja meio bagunçado.  Mas a vida é assim. Um caos que nem sempre estamos dispostos a organizar, mas que nos é cobrado diariamente. É tipo aqueça opção “mix” da máquina de lavar roupa que você joga tudo dentro e o objetivo é que saia tudo limpo.
Calma, calma. Deixa eu tentar arrumar isso.
Quando falo em “vida”, acabado tentando listar a minha em tópicos, e sempre me sobe à cabeça, primeiramente, as palavras “amor”, “relacionamentos”, “amigos”, “afazeres”.
E aí me surge uma questão, é nisso que a minha vida se baseia? E logo “No que a minha vida se baseia?”
Eu, pessoalmente, acredito que existe uma linha um tanto quanto tênue entre quem somos e quem queremos ser, entre como é e como queremos que sejam todas as coisas ao nosso redor.

Merda. Acho que a música acabou antes da hora.

Mas já que entramos no assunto, aproveita e me conta aqui nos comentários no que se baseia sua vida, hoje. É sempre bom refletir um pouco sobre nós mesmos, né? Vejo vocês logo mais. Adiós.

2 comentários

Não tantas primaveras, mas muitas histórias. Carioca, futuro estudante de cinema, youtuber, fotógrafo nas horas vagas, escritor em outras, e pai de um bulldog francês, o Frederico. Apaixonado por compartilhar sentimentos em forma de imagens e de adquirir conhecimento sobre outros mundos. Se você se identifica, garanto que vai gostar de me acompanhar nas minhas redes sociais, te vejo lá!

Deixe seu comentário

  1. MAURO MOREIRA GARCIAResponder

    adorei o texto, muito bom