Vídeo novo: Smoothie Challenge com Fabi Santina

Oi, gente. Como vocês estão? Vim aqui só pra dizer que: VOCÊS PEDIRAM TANTO QUE EU FIZ ESSE TAL SMOOTHIE CHALLENGE QUE É MUITO NOJENTO E MISTURA UM MONTE DE COMIDA PRA GENTE BEBER NO FINAL.

Ufa. Se você não conhece esse desafio, assiste o vídeo e vem entender o porquê do meu desespero. Gravei com linda da Fabi Santina, e tem vídeo no canal dela também. Vem assistir os dois!

O meu vídeo:

Vídeo no canal da Fabi:

Gostaram? :) Não se esqueçam de se inscrever lá no meu canal, e me acompanhar por lá também. Posto vídeo todas as semanas!

Escrito por Isabela Freitas

Isabela Freitas tem 25 anos, mineira, atualmente em São Paulo, mas vive mesmo no mundo da Lua. Gosta do número 7, amores de arrancar o coração, bichinhos de rua e músicas fofinhas. Ah, ela adora signos também. Sagitariana, teimosa, sincera, sonhadora, dramática e um pouco exagerada. Mas só um pouquinho. Autora dos livros "Não se apega, não" e "Não se iluda, não", e você pode comprá-los aqui. Juntos eles já venderam 500.000 exemplares e até hoje eu não acredito nisso.

A SAUDADE APERTA E EU (QUASE) LIGO PARA VOCÊ

Tem horas que a saudade aperta e eu quase ligo para você. Eu sinto meu corpo inteiro se encolher na ponta da cama e abraço as minhas pernas com tanta força que minha testa apoia nos joelhos. Eu fecho meus olhos e tento desesperadamente contar até dez. Mas me perco no meio e percebo que preciso soltar o ar que prendi em meus pulmões.

O ar vai embora exatamente como você, depois de eu tentar impedir que fosse. Mas é nessa hora que eu tento puxá-lo de volta e junto vem a saudade que sufoca tudo o que eu tenho por dentro. Me preenche o peito mas mesmo assim, me deixa sem ar, tonta e completamente embriagada com o cheiro do seu perfume.

E eu te juro, eu quase pego o telefone.

Mas abro os olhos e tento refazer mil vezes as minhas notas mentais, reescrever os porquês e embaralhar os números do seu celular lá no fundo do meu eu. Mas ainda sinto essa falta que deixa meus pés gelados com saudade dos seus, que me esquentavam nas noites frias.


E é nessas horas que imploro para não tirarem os olhos de mim, imploro para me fazerem rir e me obrigo a rir de qualquer coisa. Mesmo que nada tenha tanta graça quanto as suas rimas. Tento me focar em algo que não seja relacionado a falta que você faz do outro lado da cama. Vejo filmes, leio livros, tomo aquele chocolate quente que eu sempre deixava queimar e me distraio.

Mas dura pouco e novamente só penso em largar a porta de casa aberta mesmo, esquecer as chaves pelo meio do caminho, sair de camisola, despenteada e descalça, só para ir atrás do meu coração, que você levou junto contigo quando partiu. Nessas horas que eu preciso inventar desculpas que não me deixem atender, para caso você ligue. Dizer que eu saí, que eu dormi, que eu estou em um banho demorado enquanto me apronto para superar você.

Mas o telefone não toca, e é quando eu tenho uma folga no meio daquela saudade toda, e quase agradeço você. É quando eu me lembro de que eu não devo ligar, não devo correr, não devo chorar ou sequer me lembrar de você. É a hora que eu listo novamente todos os momentos estragados, os erros idiotas, e coloco meu amor dentro do potinho no canto do meu quarto. É a folga que eu tenho, quando eu desligo o celular e não procuro mais pensar no que você está fazendo, ou no motivo de você não ter vindo ainda.

São os momentos que eu percebo que consigo me amar mais do que você já me amou, tentando te esquecer, te deixar para lá, te mandar para bem longe. São nesses momentos em que eu solto as pernas, me estico inteira, aceito a dor que você um dia me trouxe, mas não choro e nem esperneio. Me sinto sortuda por poder me deitar no meio da cama cheia de travesseiros somente meus. Finalmente consigo respirar fundo e noto que não quero mais perder meu tempo quase ligando para você. Nem com você de qualquer jeito que for.

Escrito por Deborah Sequeira

18 anos de muita história para contar, autora do blog duzentaslinhas.blogspot.com.br, residente do país das maravilhas e escritora nas horas vagas - nas outras também. Geminiana, sonhadora, avoada, estudante de psicologia, especialista em matérias impossíveis e completamente apaixonada por pessoas, flores e tudo que há de belo no mundo. Acredita em fadas, sereias e em um amor que cura todos os males.
Quer conversar comigo pelas redes sociais? Fácil, só me chamar em @duzentaslinhas 
Ou quer desabafar secretamente? Pode me mandar sua história pelo e-mail duzentaslinhas@gmail.com (juro que sou boa em conselhos)
 

A vida não se conjuga em "e se"

Vamos começar com o fato de que se nem verbo é. De acordo com a análise morfológica é uma conjunção subordinativa condicional. Confuso, né? Imagina então que na análise psicológica ele pode significar arrependimento e perda de tempo.

Se eu tivesse agido de outra forma, se tivesse corrido atrás, aceitado o outro como ele é. Se não tivesse brigado tanto, errado tanto, falado tanto, sido mais eu ou talvez menos eu.

Cada um de nós vive com seus próprios e se’s acumulados de histórias com um ponto em comum: o desejo de que fossem diferentes. Mas o fato é que nunca saberemos o que seriam delas se não tivessem sido exatamente o que foram.

Viver se baseando em possibilidades é perder no presente a chance que você tanto deseja de fazer algo dar certo, por achar que ela foi desperdiçada no passado. Continuar agindo assim é a melhor forma de transformar a vida em um eterno círculo vicioso da dúvida.

Ao invés disso, encare-a como um ciclo que, tal como, é feita de começos e fins, erros e acertos, algumas portas que se fecham e outras que se abrem. Nem todo relacionamento é feito para durar cinquenta anos e nem todo grande amor parar ser eterno. Em ambos os casos o único erro cometido é o de se achar responsável pelo fracasso de sua finitude e deixar que isso te impeça de seguir em frente, já que aquilo que foi feito pra dar certo vigora, independente de qualquer coisa que a gente faça.

Por isso, viver de e se pode ser tão perigoso. Duas palavras pequenas que carregam um peso enorme, que é o da culpa que não deveria existir, já que em toda decisão está contida uma consequência.

Sendo assim, se as coisas tomaram um rumo diferente do que você esperava, basta acreditar que o melhor está por vir e conviver com o fato de que nem sempre é possível mudar isso.

Um rio que não desemboca no mar pode encontrá-lo quando evapora e se torna chuva, o que prova que os caminhos que levam onde vamos chegar são muitos e a escolha de percorrê-los ou não é só nossa. O que não dá pra fazer é ficar parado remoendo o que já passou ou tentar andar pra trás até encontrar o tropeço que mudou sua rota.

Escrito por Denise Carvalho

RP pós-graduanda em Psicologia, mãe de gato apaixonada por dança, escritora e viajante entusiasta. Dorme só quando sobra tempo, mas sonha o tempo todo.

Cinco super heroínas que merecem um filme solo

Chegou a vez da mulher mostrar o seu poder. Diante de uma sociedade cada vez mais exigente quando o assunto é representatividade, já está mais do que na hora do universo cinematográfico investir em filmes solo de super heroínas dos quadrinhos.

Veja algumas personagens que podem ser exploradas no cinema de forma autêntica, com enredo, tramas inovadoras e repletas de elementos dignos das telonas.

Safira Estrela


Criada pela DC Comics, a heroína começou como vilã mas logo se tornou aliada do Lanterna Verde. No universo dos quadrinhos, o codinome Safira Estrela é compartilhado por diversas personagens, mas especialmente pela Carol Ferris. Sua origem vem da tribo de guerreiras Zamaronas, que habitavam em Oa e formavam par com os Guardiões do Universo. Quando esses abdicaram de qualquer tipo de emoção, as Zamaronas se viram forçadas a buscarem abrigo no planeta Zamaron.

Na nova casa, elas encontraram cristais que absorviam a energia violeta do amor e formaram um exército de guerreiras para impôr o sentimento pela galáxia e se vingar dos homens. Dessa forma nasceu a "Tropa das Safiras Estrelas", também conhecidas como as portadoras do poder da Lanterna Violeta. Bem feminista, não é?

Imagine a beleza de uma produção como essa nas telas de cinema, ainda mais com uma temática tão atual como empoderamento feminino. Além do tema, visualmente será um filme que chamará atenção, tanto pela paleta de cores, bem chamativas, quanto pelo visual das Safiras Estrelas.

A Carol Ferris é uma jovem herdeira e presidente da Companhia Aeronáutica Ferris. Ela foi escolhida pelas Zamaronas para se tornar sua nova rainha, como uma mulher mortal e de aparência especial. Carol se transforma em Safira Estrela quando recebe a joia violeta. Essa joia, na verdade, são anéis, que percorrem o Espaço à procura de pessoas que possuem ou sofreram por um grande amor.

Os anéis dão a quem o usa poderes de voo, campos de força violeta, regeneração, tradução de qualquer língua, manipulação de energia e construção de diversas coisas, como armas, a partir da energia.

Cristalys


Ela foi a segunda criança nascida de um casal de inumanos e descendente direta do Rei dos Inumanos, Agon. Integrante oficial da Família Real de Attilan, Cristalys é a irmã mais nova de Medusa e foi submetida a névoa terrígena ainda criança (quem assiste Agenst of S.H.I.E.LD vai entender).

Suas habilidades mentais controlam os quatro elementos, ar, água, fogo e terra. A jovem super poderosa passou boa parte de sua vida a procura da irmã, que estava com amnésia e em uma de suas buscas foi parar na Terra, integrando a equipe do Quarteto Fantástico, durante a gravidez da Mulher Invisível.

Originária da Marvel, a história da personagem é bem complexa e cheia de detalhes, em idas e vindas entre Attilan e a Terra, ela já trabalhou com os Vingadores e se apaixonou pelo mutante Mercúrio, relacionamento que lhe rendeu uma filha humana e sem poderes, chamada Luna.

Sem dúvida será uma linda história de cumplicidade e amor entre família. Ideal para uma bela adaptação para o cinema.

Zatanna Zatara


Filha do famoso ilusionista John Zatara e da misteriosa homo magi (raça mística) Sindella, a jovem de cabelos negros e olhos azuis, Zatanna, se tornaria a maior ocultista da Terra e consequentemente uma super heroína.

As habilidades com ilusão do pai e os poderes sobrenaturais da mãe renderam a Zatanna super poderes inimagináveis. Mas a vida da heroína foi mais de sacríficos do que de glórias. A sociedade da qual sua mãe fazia parte queria destruir Zatanna, e por conta disso Sindella precisou fugir para Turquia e se esconder. Já seu pai, Zatara, foi amaldiçoado com um feitiço quase impossível de ser desfeito, com isso ficou impedido de ver a filha por muitos anos, pois se a olhasse nos olhos ambos morreriam na hora.

Mais uma trama familiar que resultaria em um maravilhoso drama sobrenatural repleto de aventuras e efeitos especiais. Muito poderosa, Zatanna pode conjurar inúmeros feitiços, além de poder de cura, teletransporte, criar explosões de energia, manipular mentes e imunidade mental. O mais interessante é que seus poderes podem ser estendidos e muitos ela ainda nem tem noção de possuir, como congelar e transformar pessoas em animais, parar o tempo, criar flechas, manipular o fogo e o ar. Essas habilidades podem ser invocadas por meio de feitiços ocultos.

A personagem da DC Comics já teve uma breve participação no seriado Smallville e foi interpretada pela Serinda Swan, que por sinal fez uma ótima atuação e deveria continuar sendo vivida pela atriz em um possível filme.

Hera Venenosa


Uma ladra que adquiriu poderes ao ser envenenada por seu cúmplice. Após o incidente, Pamela Lilian Isley passou a ser imune a todos o tipos de venenos e tornou-se botânica, especialista em plantas e em venenos derivados das mesmas. Por outro lado, firmou sua carreira no crime usando plantas venenosas como armas letais. Hera também tem lábios venenosos, pode controlar todas as plantas, acelerando e desacelerando o crescimento, e expelir feromônios do amor.

Mais tarde, começou a prestar serviços como mercenária para o governo dos Estados Unidos e ganhou anistia por seus delitos.

A personalidade da Hera Venenosa é bastante desequilibrada e violenta, ela é conhecida por ser uma assassina fria e por nutrir pelo Batman um sentimento voraz e destruidor, sendo considerada uma das suas maiores inimigas, apesar de se dizer apaixonada pelo herói.

A ruiva que se veste com plantas também já se uniu com a vilã Arlequina e a Mulher Gato, formando as Sereias de Gotham, para praticar crimes e obter bens pessoais.

Criação da DC Comics, Hera Venenosa é bissexual e possui um relacionamento amoroso aberto com a Arlequina, após ter salvado sua vida. Interessante não é? Imagina esse enredo no cinema? A louquinha Arlequina, interpretada pela Margot Robbie, contracenando com Jessica Chastain. Não seria um filme perfeito? Acredito que a mistura do rosto meigo da atriz com o poder sensual da Hera traria um resultado empolgante.

Medusa


Conhecida como a soberana Rainha dos Inumanos, reinando ao lado do seu marido Raio Negro. Após sofrer um acidente de avião fica com amnésia e é recrutada pelo Quarteto Terrível para lutar contra o Quarteto Fantástico. No entanto, sua irmã caçula Cristalys e seu marido, estão a sua procura, e depois de muitas batalhas consegue recuperar a memória e voltar para seu planeta, Attilan.

Como já deu para perceber sua vida também foi repleta de sofrimentos. Quando Medusa engravida de Raio Negro, o conselho dos inumanos a força a tirar o bebê, por temer que o mesmo nasça com a mesma doença mental do irmão do pai. Com isso, ela foge para Terra vivendo sozinha como anônima, só para poder ter o pequeno Ahura em paz. A vida da personagem é cheia de idas e vindas, com um enredo digno de novela mexicana, ou quase isso, se for entrar nos detalhes do seu reinado e casamento esta publicação deveria ser toda dedicada a ela.

O poder da Medusa está no cabelo. Sendo mais resistente que o aço, o cabelo da heroína pode ser esticado por tamanhos incríveis, além de ser maleável e se transformar em diversas formas. Ela ainda pode queimar pessoas, e seu cabelo pode ser usado como defesa e ataque. A personagem também tem super agilidade, reflexo e força inumana, se assemelhando com a mitologia, Medusa pode transformar tudo em pedra apenas com um olhar.

Seria incrível vê-la no filme Inumanos, já prometido pela Marvel para o ano de 2018, mas também seria satisfatório uma participação especial da personagem na série Agents of S.H.I.E.L.D.

Gostou das heroínas? Qual você quer ver primeiro nas telonas?

Escrito por Isabel Tavares

Jornalista, apaixonada por histórias e pela arte de encantar pessoas através da escrita. Tenho 22 anos e amo moda, cinema, seriados e histórias encantadoras. Visite meu site: isabeltavares.com

Julgando o Livro pela capa

O talento dos grandes autores não pode ser negado. Eles transformam plebeus em reis, sapos em príncipes, magos em dragões. Pintam um retrato bem metafórico do que se vê no dia-a-dia, são princesas de rosto perfeito prontas para receber o matrimônio, homens fortes e trabalhadores, famílias que são ameaçadas a cada dia pelo mal que está lá fora. Mas dentro desse universo que se mostra tão parecido com nossa vida real, ainda sim pode-se notar o quanto nos deixamos levar pelas aparências.

A psicologia geral aponta uma infinidade de atos reflexo-hormonais que se misturam dentro do nosso corpo, e pintam o retrato da nossa percepção; aquela que te faz discernir o bem e o mal. Não confiemos na nossa visão, essa mesma que só nota o superficial. Nesse mundo de aparências nós sempre estamos sujeitos às mais diversas pessoas, e por vezes quando nos gabamos de ter experiência, aparece algo novo pra te ensinar novamente. Andamos quase sempre no escuro à espera de algo que “clareie” nossa visão, que mostre o que os olhos não veem. A regra de julgar “o livro pela capa” nem sempre funciona.

O que é uma pessoa boa pra você? Ora, pra você pode ser uma pessoa generosa, solícita, prestativa, uma pessoa que está “sempre ali”, ou aquela que você “sempre pode contar”. Num julgamento social bem verdadeiro, a bondade está ligada à uma simples questão: interesse.

Ter algo, ser algo, ou fazer algo, se alguém te proporciona isso, essa sim é uma pessoa “boa”. Tudo bem, critério de cada um. Muita gente é igual livro mesmo, em algumas a “capa” já retrata bem o que vamos encontrar, mas tem outras que são sim bem difíceis de serem “lidas”. Isso requer tempo, paciência, e como uma boa leitura, se uma pessoa te agrada, você recomenda mesmo.

Tanta “bondade” vestida de interesse, tanta “generosidade” , tanto “amor”. Como nos livros, a vida também tem dessas reviravoltas, ou melhor, dessas revelações. Igual essas pessoas que “vivem uma vida cristã”, não comem carne na quaresma, jejuam e oferecem ao Senhor, pra logo depois esquecerem desse amor e não dar nem bom dia ao porteiro. É como um bom político que te faz “um favor”, ou desses casais que juram “amor eterno”. Amor eterno, do latim dois meses. É difícil ler as pessoas, interpretar, saber das suas fraquezas e das suas vitórias. Descobre a verdadeira essência da pessoa quem aprende o significado da palavra amor, que se vê traduzido não em gostar de alguém POR CAUSA DE... , mas APESAR DE...

Pois então taí, vou te dizer o que é uma pessoa boa. É aquela que faz de tudo e mais um pouco pra fazer alguém bem. É fazer uma doação sem esperar por platéia, é quem fica contigo num momento difícil, é quem te carrega bêbado nas festas, é quem te empresta dinheiro sem esperar devolução. É aquele tipo de pessoa que demonstra uma serenidade aparente, que você não se cansa, que não estão sempre nas suas orações (porque você não reza com frequência) mas quando o faz, seu mais singelo pedido é “Deus, cuida bem dele(a)”.

Escrito por Isaac

Cearense, 21 anos.Pisciano com um pé em Áries. Um pouco besta. Sonhador com os pés no chão. Gosto de chocolate e dessas besteirinhas que te fazem engordar,vou à academia por que o corpo não emagrece sozinho. Estudante de Direito,Estudante do errado.. Estudante da vida em geral.