QUEM PROCURA ACHA

Quando você começa a cogitar a criar um whatsapp fake pra testar o seu namorado... É porque as coisas não estão muito boas. GRUPO DESAPEGADAS: https://www.facebook.com/groups/1871350036443448/ ➜ Compre...

Ontem eu me vi voltando em um uber para minha casa quase 2hs da madrugada, com os olhos cheios de lágrimas. Eu não estava voltando de um término, apesar de estar voltando da casa do meu “quase-ex” com quem eu tive uns bons meses de algo que eu não sei bem definir até hoje. Eu estava voltando de uma ótima noite recheada de conversas reflexivas e que me levaram a voltar pra casa pensando três vezes mais. As músicas que tocavam no carro também não me ajudaram, eu só sentia o nó se formar na garganta e a vontade enorme de mandar uma mensagem daquelas pra ele perguntando “O que isso significou para você?”

Eu sei, leitor, você deve estar se perguntando sobre O QUE estou me referindo. Acontece que, depois de algumas horas de conversa, eu só conseguia olhar pra ele pela iluminação fraca que vinha da sala, sentir o vento geladinho que entrava pela varanda, e pensar no quanto eu gostaria de beijá-lo. Mas não, eu não beijei. Eu não beijei porque de fato, não era só saudade dos lábios, era saudades dele. Saudades de estar na presença dele, de ouvir os devaneios dele, os sonhos, os medos. Era uma falta que eu não sabia que eu sentia até estar ali na frente dele e não poder fazer nada além de permanecer sentada.

Só que nada na minha vida funciona exatamente como um roteiro de novela, como vocês podem imaginar. E para minha surpresa, ele que estava totalmente demonstrando desinteresse, levantou-se da cadeira e me beijou. Assim, DO NADA! Meu coração acelerou tanto, que eu podia sentir que ele ia sair correndo pelo bairro a qualquer momento. Não foi um beijo calmo, foi um beijo movimentado por vontade de ambas as partes. Eu podia sentir que minha mente já estava longe, e eu estava entregue de corpo e alma ali.

Fomos pro quarto, pois é. Não se espantem. Tiramos as roupas e as coisas aconteceram naturalmente, como um ritual ensaiado que nunca havia se concretizado de fato. Foi ótimo, não vou mentir. Aliás, foi mais do que isso, foi maravilhoso. E enquanto ele se levantava da cama e começava a procurar por suas roupas, eu senti o aperto no coração. Senti  que havia sido BOM até demais. Muito bom para alguém que está acostumada a esperar que não seja assim. Então, eu me levantei sem dizer uma palavra sequer e coloquei minhas roupas, cobrindo-me o mais rápido que pude.

Apenas me virei para ele novamente quando tinha certeza absoluta que não iria dizer nada estúpido. Ele estava deitado na cama, olhando pro teto e suspirando como se NADA tivesse acontecido. Quer dizer, eu até perguntei o que ele tinha, mas confiem em mim, não tinha nada comigo. Ele apenas levantou-se, me guiou até a varanda novamente, jogamos mais um pouco de conversa fora de forma casual como havia sido no sexo, e eu vim embora. Não teve beijo de despedida como vocês devem estar esperando, não teve nem um abraço mais apertado do que o normal. Foi um cumprimento e só. Ele fechou a porta e eu me vi sozinha, em um corredor escuro, tentando decifrar o que havia acabado de acontecer por ali.

Tá! Eu sei, a maioria de vocês vai me dizer “foi só sexo, ué” mas é aqui vem a questão, e quando é apenas sexo para uma das partes, mas pra outra é um gesto cheio de significado, emoção e saudades? E aí, como a gente resolve? É o que eu estou tentando descobrir até agora. Ele não mandou mensagem me perguntando se eu cheguei em segurança em casa, ele provavelmente só capotou de sono e acordou hoje para ir viver a vida dele como todos os outros dias. Eu, não. Eu apenas estou aqui, vendo que ele está online no facebook, e que provavelmente não vai responder minha mensagem no WhatsApp e pensando se a noite passada deveria ter sido uma noite qualquer para mim.

Será que ele vai ligar no dia seguinte? Pois é, as vezes, a resposta é “não”, por mais que você queira que não seja. Em alguns momentos, você vai sentir essa dorzinha incômoda que eu tô sentindo agora, e apenas vai precisar entender que foi uma experiência pra você guardar e seguir com a vida. Às vezes, FOI APENAS SEXO. Mesmo que você tenha sentido por todo o seu corpo que não foi. Mesmo que você tenha, assim como eu, cometido a gafe de mandar um mensagem dando boa noite e não ser respondida. Às vezes, o amor está contigo, mas não com o próximo.

E sinceramente? ficar do lado do telefone se torturando porque ele não mandou mensagem não vai resolver. Levanta desse sofá, joga o celular longe e assim como ele, vai viver teu dia. A noite acabou. E se ele não ligar no dia seguinte, não tem problema. Não quer dizer que foi ruim, que você precisa se arrepender ou que não deve se entregar outra vez. Não mesmo! Se ele não ligar, e você resolver não ligar também, quer dizer apenas que vocês curtiram estar juntos e não estão mais. Só isso.

Mas e para mim? Ah, eu ainda vou precisar ler esse texto umas trinta vezes, mas até lá, LARGUEM O CELULAR!

0 comentários

19 anos de muita história para contar, autora do blog duzentaslinhas.com.br, residente do país das maravilhas e escritora nas horas vagas - nas outras também. Geminiana, sonhadora, avoada, estudante de psicologia, especialista em matérias impossíveis e completamente apaixonada por pessoas, flores e tudo que há de belo no mundo. Acredita em fadas, sereias e em um amor que cura todos os males. Quer conversar comigo pelas redes sociais? Fácil, só me chamar em @duzentaslinhas  Ou quer desabafar secretamente? Me chama no snap duzentaslinhas ou pode me mandar sua história pelo e-mail duzentaslinhas@gmail.com (juro que sou boa em conselhos)  

Relembre os filmes que marcaram o ano de 2007 com romances de tirar o fôlego. Afinal, não é para qualquer um completar uma década e continuar sendo lembrado.

P.S: Eu Te Amo

Os apaixonados de plantão com certeza já devem ter visto este filme pelo menos uma vez. No longa, Holly fica viúva do amado marido Gerry, que deixa para ela diversas cartas que tem como objetivo guiá-la de volta a felicidade. O filme é baseado no livro de mesmo nome da irlandesa Cecelia Ahern e foi dedicado à memória da irmã da produtora Molly Smith.

Stardust – O Mistério da Estrela


Para conquistar o amor da fria Victoria, Tristan vai em busca de uma estrela cadente, quando descobre uma terra misteriosa. Além disso, ele percebe que não é o único a procura da tal estrela. São muitos concorrentes bem mais poderosos, mas Tristan precisa ganhar o amor da estrela.

Desejo e Reparação


O filme se passa durante a Segunda Guerra Mundial quando a família de Briony Talles se reúne trazendo a tona antigos ressentimentos. Cinco anos antes, Briony, então aos 13 anos, usa sua imaginação de escritora principiante para acusar Robbie Turner , o filho do caseiro e amante da sua irmã mais velha Cecília , de um crime que ele não cometeu. A acusação na época destruiu o amor da irmã e alterou de forma dramática várias vidas.

Letra e Música

Estrelado por Drew Barrymore, o filme mostra a história de Alex, um astro do pop decadente que vê a oportunidade de voltar ao sucesso quando uma diva do pop o convida para compor uma música exclusiva. Só que ele não faz isso há anos e encontra-se totalmente sem inspiração. Mas, a sua empregada Sophie que se dá muito bem com as letras o ajuda nessa missão.

Encantada

Em Encantada a princesa Giselle, vivida pela talentosa Amy Adams foi expulsa do seu próprio conto de fadas através de um feitiço da própria sogra. Inserida no tenebroso mundo real, ela tem que aprender a viver sem encantos e magias. Quem nunca se apaixonou por esse filme tão fofo e mágico? Ah, e depois de 10 anos a Disney já confirmou uma sequência para história de Giselle e Robert. Será que eles vão para Andalasia?

 

Gostou da seleção de filmes? Nem parece que eles já completaram 10 anos não é? Qual o seu preferido?

0 comentários

Jornalista, apaixonada por histórias e pela arte de encantar pessoas através da escrita. Tenho 23 anos e amo moda, cinema, seriados e histórias encantadoras. Visite meu site: isabeltavares.com // Baixe o meu e-book "Entre a Fé a Paixão" aqui

Escute enquanto lê:

Ei, eu sei. Já fui essa garota.

Essa mesmo, quem você está tentando ser nesse exato momento. Aquela que bate no peito e diz que o coração é de gelo. Aquela que sai com as amigas e diz não estar nem aí pro ex namorado que tá beijando outra na sua frente. Aquela que se faz de forte a noite toda. Aquela que prefere não se relacionar com ninguém porque tem a certeza de que a outra pessoa irá machucar. Aquela que está feliz sempre. Aquela que tem orgulho de ser da geração desinteresse. Aquela que dá conselho para as amigas, mas esquece de si. Aquela que diz que não se impressiona com palavras bonitas.

Aquela que diz não acreditar mais no amor…

O que não te contaram é que o amor acredita em você.

Seu coração não é de gelo. Você se emociona ao fazer o bem, e morreria para salvar aqueles que ama. Você faz tudo pelos seus amigos e não suporta injustiça. Lembra aquela vez que você deixou de ir em uma festa em que seu ex namorado estaria, só pra que isso não gerasse nenhum desconforto pra ele? Então. Era amor. Lembra quando no colegial você começou a andar com a diferente da turma só porque não achava justo todo mundo excluir a menina? Era amor. Lembra quando você viu lágrimas nos olhos da sua mãe, segurou as suas, e deu o seu melhor sorriso para melhorar o dia dela? Era amor. Lembra quando aquele seu amigo chegou com suas dores, e você achou melhor guardar as suas pra outro dia e escutar o que ele tinha pra dizer? Era amor. Lembra quando você mesmo sem querer sair de casa, saiu com a sua melhor amiga, porque você sabia que se ela ficasse em casa iria chorar e se sentir mal? Era amor. Lembra de todas às vezes em que assistiu filmes de romance e se emocionou? Era amor. Lembra quando você foi em um casamento, viu o noivo chorar, e achou aquilo uma das demonstrações mais puras de afeto existentes? Era amor. Lembra quando você deu uma esmola pra uma criança de rua, e o sorriso dela mudou o seu dia? Era amor. Lembra quando você passou o dia inteiro ouvindo histórias repetidas da sua avó, mas mesmo assim fingiu que estava ouvindo pela primeira vez? Era amor. Lembra de todas às vezes em que brigou com o seu irmão, e sentiu uma pontinha de arrependimento logo depois? Era amor. Lembra quando você disse que não acreditava no amor? Você estava pensando nele.

Era amor.

Você é amor. O tempo todo.

Não duvide disso. Não vista armaduras, não tente esconder seu coração atrás de uma camada de gelo que sequer existe. Nosso coração foi feito pra bater forte, pra sentir, pra doer, pra amar, pra sangrar. Pra ser livre. Não deixe de acreditar, não deixe de fazer o bem. Não se torne aquilo que te machucou, não desconfie de quem te estende a mão, não dê as costas para sentimentos bonitos. Eles existem.

Se entregue, se permita ser sempre frágil. Só vive por inteiro aqueles que não tem medo de sentir.

E como é aquela frase mesmo…? Nós somos aquilo que emitimos.

Você é amor. Seja amor. Sempre amor…

 


Gostou do texto? Comente! Sua opinião é muito importante pra mim 🙂

36 comentários

Isabela Freitas tem 25 anos, mineira, atualmente em São Paulo, mas vive mesmo no mundo da Lua. Gosta do número 7, amores de arrancar o coração, bichinhos de rua e músicas fofinhas. Ah, ela adora signos também. Sagitariana, teimosa, sincera, sonhadora, dramática e um pouco exagerada. Mas só um pouquinho. Autora dos livros "Não se apega, não" e "Não se iluda, não", e você pode comprá-los aqui. Juntos eles já venderam 500.000 exemplares e até hoje eu não acredito nisso.

Você não me conhece, mas eu te conheço. Sei que seu sorriso costumava ser largo, verdadeiro e contagiante. Sei que você gostava de se divertir pra valer e…

Eu quis tanto que você ficasse…               Orei aos deuses de todas as religiões,    Pedi luz a todas as galáxias,        Mas não havia nada que eu pudesse fazer…